quinta-feira, 27 de março de 2008

Grandes Mulheres: Letícia Möller conta Nísia Floresta


Nísia Floresta (1810-1885)



Escritora e educadora, Nísia Floresta é considerada a pioneira do feminismo no Brasil.

Nascida em 1810 em Papari, no Rio Grande do Norte, filha de um advogado português e de uma brasileira, foi batizada com o nome de Dionísia Golçalves Pinto, mas iria adotar o pseudônimo de Nísia Floresta Brasileira Augusta, pelo qual ficou conhecida.

“Nísia é o final de seu nome de batismo. Floresta, o nome do sítio onde nasceu. Brasileira é o símbolo de seu ufanismo, uma necessidade de afirmativa para quem viveu quase três décadas na Europa. Augusta é uma recordação de seu segundo marido, Manuel Augusto de Faria Rocha, com quem se casou em 1828, pai de sua filha Lívia Augusta” (cf. Projeto Memória Viva).

A obra precursora de Nísia é marcada pela defesa dos direitos das mulheres, pela denúncia das condições de opressão vividas pelas mulheres no Brasil. Lutou por um ensino igualitário entre os gêneros, assim como também dedicou-se a escrever em defesa dos direitos dos indígenas e contra a escravidão dos negros, aderindo à causa abolicionista.

Aos 22 anos de idade, Nísia Floresta publica Direito das Mulheres e Injustiça dos Homens, em 1832, construído a partir do texto revolucionário da feminista inglesa Mary Wollstonecraft, Vindications of the Rights of Woman, publicado em 1792. A obra de Nísia, contudo, não se resume a uma tradução literal do texto de Wollstonecraft, sendo uma "tradução livre", onde Nísia adapta o texto à realidade brasileira. Como esclarece Constância Lima Duarte:

“ao invés de fazer simplesmente uma tradução, a autora brasileira aponta os principais preconceitos existentes no Brasil contra seu sexo, identifica as causas desse preconceito, ao mesmo tempo em que desmistifica a idéia dominante da superioridade masculina. (...) Na deglutição geral das idéias estrangeiras aqui chegadas, era comum promover-se uma acomodação das mesmas ao cenário nacional. É o que ela faz. Assimila as concepções de Mary e devolve um outro produto, pessoal, em que cada palavra é vivida, em que os conceitos surgem das páginas como algo visceral, extraídos da própria experiência e mediatizadas pelo intelecto” (DUARTE, Constância Lima. “Nísia Floresta Brasileira Augusta: Pioneira do Feminismo Brasileiro-Séc. XIX”. Disponível aqui).

Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens é considerado o texto fundante do feminismo no Brasil. Seu caráter pioneiro fica ainda mais evidente se pensarmos que foi escrito 100 anos antes que o voto das mulheres fosse permitido em nosso país!

Dentre 15 títulos de sua autoria, publicou Opúsculo Humanitário (1853), uma coletânea de artigos sobre a emancipação feminina, o qual recebeu a crítica positiva de Auguste Comte, o pai do positivismo. A troca de cartas entre ambos foi reunida em um volume organizado por Constância Lima Duarte e publicado pela EDUNISC (Cartas Nísia Floresta & Auguste Comte, 2002).

Nísia viveu por muitos anos na Europa, sobretudo em Paris, retornando ao Brasil para voltar novamente à Europa. Morre na França em 1885. Em 1954, seus despojos são transferidos para o Rio Grande do Norte.

O estudo de Constância Lima Duarte, Nísia Floresta: vida e obra (Natal: Editora da UFRN, 1996, 366 p.), apresentado em 1991 como tese de doutorado na USP, é considerado a mais completa biografia de Nísia Floresta.

Para a cronologia da vida de Nísia Floresta, clique aqui.

Para o elenco completo das sua obras, clique aqui.


Letícia Möller

Porto Alegre/RS. Advogada, mestre e doutoranda em direito, pesquisadora em bioética. Escreve crônicas, contos e prosas poéticas, que publica neste blog, no Overmundo e em algumas revistas digitais. Escreve também narrativas infantis e juvenis.

7 comentários:

Cristiane disse...

Querida Letìcia!
Sabes bem o que é estar distante da nossa Terra. Participar do teu blog e conhecer a vida de todas essas lindas mulheres (autoras e homenageadas) tem me trazido luz e afeto. Sigo o caminho que sinto ser meu - e que também tem me feito feliz -, mas é muito bom sentir esse calor que vai além das sensaçoes epidérmicas, calor humano que se espande na alma.
Um grande beijo a todas, e um especial pra ti, Letìcia, que também merece a nossa homenagem!!!
Baci,
Cris Alves

renata disse...

OI Let�cia, que legal a sua escolha para homenagem, eu n�o conhecia a N�sia Floresta, t�o jovem j� produzindo uma obra t�o relevante, muito legal!!!!

Espero que vc seja iluminada com outras id�ias como essa da homenagem as mulheres, obrigada por me convidar para participar...
Um beij�o
renata

Fleury disse...

Nossa, Letícia, você simplesmenete fechou/abriu com chave de ouro a homenagem feita às mulheres neste mês de março: Nisia Floresta..., nas letras, a primogênita na caminhada pela elevação da condição da mulher no Brasil.
Parabéns!
Beijo,
Karina.

Odele Souza disse...

Leticia,
Sem dúvida, a idéia de homenagear grandes mulheres é original e está sendo feita com muita competência
aqui neste seu espaço. Parabéns Leticia e o meu abraço pra você e às outras pessoas que aqui escrevem, por nos tornar mais ricas a cada entrada neste blog.

Um beijo.

Cintia Thome disse...

Leticia, grandes mulheres por uma perfeita mulher que dedica seu tempo à justiça do homem e a de Deus. Parabéns pelo seu amor à literatura, a grandes personagens de nosa história, muitas que não sabemos, mas divinas...Beijo. Ando correndo, re. Bju

angela disse...

Olá!
Sou escritora de livros infanto-juvenis. Este ano, inicio de setembro, estarei lançando pela editora Prumo o livro Pretérito Mais que perfeito onde abordo a importancia de Nisia Floresta!

Letícia Möller disse...

Cara Angela,

obrigada pela visita! Fico feliz com o seu contato e com vontade de saber mais sobre os seus livros e trabalhos. Também sou escritora de livros infantis, quem sabe podemos trocar ideias e livros?

Parabéns desde já pelo lançamento de setembro. Tenho muito interesse em conhecer a obra. Se quiseres enviar o convite, terei prazer em divulgar aqui no blog.

Deixo o convite para conhecer meu outro blog, sobre literatura infanto-juvenil: www.loveolivro.blogspot.com

Abraços,
Letícia M.